FEVE celebra o 40.º aniversário

A FEVE – Federação Europeia do Vidro de Embalagem elegeu uma nova direção para o mandato de 2017-2019. A FEVE celebra este ano o seu 40.º aniversário, representante hoje 60 membros empresariais pertencentes a cerca de 20 grupos com mais de 160 fábricas de embalagens de vidro implantadas em 23 países europeus..
Johan Gorter, CEO da Ardagh, foi eleito Presidente da FEVE, ladeado por Jean-Pierre Floris, Presidente e CEO da Verallia, como Vice-Presidente.

image
A indústria do vidro de embalagem é pioneira da estratégia europeia da economia circular. Nos 15 anos mais recentes, a reciclagem garrafa-a-garrafa aumentou 139% na Europa. Cerca de 1,5 milhões de vidrões estão implantados e a taxa média de reciclagem na Europa é de 74%, o que evidencia o êxito da recolha seletiva do vidro introduzida na Europa nos anos 70.
A indústria do vidro de embalagem tem relevância importante na economia europeia. O setor investe mais de 600 milhões de euros por ano na eficiência energética, na redução das emissões de carbono e na melhoria das mais de 160 fábricas, contribuindo para manter um total de 125 mil empregos diretos e indiretos. Os investimentos na modernização dos processos de produção e na produção de garrafas que são 30% mais leves que há 20 anos, mantendo as características de preservação, a reciclabilidade e o design inovador.

Indústria do vidro reduz emissões e aumenta reciclagem

A Federação Europeia do Vidro de Embalagem (FEVE) levou a cabo um novo estudo de análise de ciclo de vida (LCA) para avaliar o desempenho do sector comparativamente aos dados publicados em 2009.
A comparação entre os dois estudos LCA evidencia progressos relevantes da indústria do vidro de embalagem em termos de teor de reciclado, economia de matérias-primas virgens, consumo de energia e redução de emissões.
O estudo fornece dados detalhados e representativos do desempenho médio da indústria europeia. Não se baseia em casos escolhidos pela sua boa performance. Abrange 84% (17,5 milhões de toneladas) das vendas de embalagens de vidro de 2012 (contra 72% das vendas de vidro de 2007) e 219 fornos de fusão de vidro (205 em 2007). Foram consideradas todas as tecnologias de produção e todas as cores de vidro. O estudo foi também revisto por um painel de especialistas em LCA, incluindo o presidente do comité ISO TC207/SC5 Life Cycle Assessment. Toldos os inputs e outputs da produção de uma garrafa de vidro estão agora disponíveis.
A metodologia LCA ajuda a medir alguns dos principais indicadores ambientais. O estudo LCA da FEVE para embalagens de vidro (garrafas e frascos) analisa cada etapa, desde a extração de matérias-primas até ao fabrico, transporte e destino final das embalagens de vidro após uso. O estudo mostra como a reciclagem em circuito fechado tem um impacto positivo elevado na sustentabilidade da embalagem de vidro. Com este estudo, a indústria conhece melhor a sua pegada ecológica e poderá continuar a avaliar a evolução dos seus indicadores ambientais.

image

O relatório metodológico e o inventário de ciclo de vida estão disponíveis para download no website da FEVE. Para efetuar o registo para download, clicar AQUI.

Reciclagem de vidro acima de 70%

A taxa média de reciclagem de embalagens de vidro na Europa ultrappassou a barreira dos 70%, segundo as estimativas da FEVE, a federação europeia dos fabricantes de embalagens de vidro, para o ano de 2012. Maiis de 25 mil milhões de garrafas foram recolhidas para fabricar novas garrafas. A economia de matérias-primas daria para construir duas pirâmides do Egipto.
A reciclagem permite menores consumos de matérias-primas apesar do crescimento do mercado. Entre 1990 e 2012, o consumo de produtos embalados em vidro na União Europeia aumentou 39%. A reciclagem aumentou muito mais – 131%. Como resultado, obteve-se uma grande economia de matérias-primas, uma redução das emissões de CO2 e do consumo de energia na fabricação de novas embalagens. Os dados da indústria apontam para uma clara descolagem entre o crescimento da indústria, por um lado, e a procura de matérias-pri as e os impactes ambientais, pelo outro lado. Graças à reciclagem, economizaram-se 189 milhões de toneladas de matérias-primas e 138 milhões de toneladas de resíduos deixaram de ir para os aterros.