MEETINGPACK 2017 em Valência

imageO encontro internacional MeetingPack 2017 terá lugar nos dias 30 e 31 de maio, em Valência (Espanha). É organizado pelo Centro Tecnológico AINIA e pelo AIMPLAS e deverá reunir mais de 300 peritos em embalagem de plástico para alimentos, de diferentes países.

O encontro reúne toda a cadeia de valor da embalagem alimentar. Multinacionais do setor alimentar, fabricantes de embalagens, materiais de embalagem e máquinas de embalagem, bem como representantes do setor distribuição e outros agentes, tais como responsáveis pelas políticas públicas da Europa, peritos em legislação alimentar e em ecologia, irão participar no evento. Entre as empresas que já confirmaram a sua presença estão a UBE, a Dow Chemical, a Repsol, a M&D e a Danone.

imageA edição 2017 do MeetingPack foca o tópico "Conveniência: Guiando a Inovação em Embalagem Barreira", que se traduzirá na análise dos grandes desafios tecnológicos globais neste âmbito, tais como materiais barreira, novos sistemas de produção e embalagem, materiais refecháveis e reseláveis, fabricação aditiva, indústria 4.0, embalagens sustentáveis e reciclagem, embalagem ativas e desenvolvimentos na área dos ensaios e controlo da qualidade. Para ver o programa, clicar AQUI.

As embalagens, em particular com materiais barreira, têm um papel chave, atual e futuro, na satisfação dos requisitos de conveniência colocados pelos consumidores europeus e na forma como é enfrentado o desafio das perdas e desperdícios de alimentos, bem como na necessidade de assegurar e prolongar o tempo de vida útil dos produtos e a segurança alimentar.
O MeetingPack decorre nas mesmas datas da exposição Made From Plastic 2017, a qual registou mais de 3500 visitantes nas edições anteriores.

Anúncios

Logística e Intralogística em Destaque

imageA nova unidade de engarrafamento da UNICER e o novo armazém automático são tema da reportagem publicada na edição n.º 230 da revista REVIPACK. Neste grande investimento, destaca-se a estratégia da UNICER e fornecedores como a KHS (linhas de engarrafamento), a EFACEC (armazém automático) e a SEW-EURODRIVE (accionamentos).
Nesta edição, a logística e a intralogística são temas em destaque. Porque razão as paletes de madeira continuam a ser preferidas? Para Paulo Verdasca, administrador da Madeca, a resposta está na combinação de qualidade, preço e sustentabilidade. A CHEP destaca as vantagens económicas e ambientais do transporte colaborativo.
No entanto, também há mercado para as paletes de plástico, com soluções específicas como as desenvolvidas pela NORTPALET e a Cabka-IPS.
Paletizar não é apenas colocar sobre uma palete. Por isso, esta edição da REVIPACK destaca também sistemas de cintagem e o envolvimento estirável. A REMBALCOM desenvolveu um novo filme estirável com capacidade de estiragem de 400%.
Na área da intralogística, esta edição destaca várias soluções de transportadores. A ANTÍPODA, por exemplo, está a somar êxitos no mercado europeu com soluções modulares projectadas à medida dos clientes.
Nesta edição, a REVIPACK apresenta ainda várias novidades e tendências em matéria de embalagem alimentar, máquinas de embalagem e sistemas de etiquetagem e codificação.
A edição REVIPACK digital (em ficheiro pdf) já foi enviada para os Assinantes. Também pode ser lida on line, clicando na imagem da capa.

A embalagem pode reduzir as perdas globais de alimentos

As Nações Unidas estimam que mais de mil milhões de toneladas de alimentos se perdem todos os anos. Este indicador pode ser significativamente reduzido com embalagem adequada, afirma a Federação Europeia dos Fabricantes de Cartão Canelado (FEFCO).

No mundo industrializado, 40% dos alimentos são desperdiçados e deitados fora ao nível do retalho e do consumo, enquanto uma quantidade similar se perde nos países em vias de desenvolvimento durante as etapas de manipulação após colheita e processamento. A FEFCO está convencida de que a embalagem alimentar adequada pode contribuir para atacar este problema e reduzir o elevado impacte ambiental e financeiro deste nível de perdas.

Alguns podem encarar a embalagem como um factor de desperdício, mas a FEFCO afirma que essa visão está errada: usam-se muito mais recursos para criar produtos do que para os embalar. Por isso, o produto e a embalagem devem ser encarados conjuntamente e a protecção dos alimentos exige o nível apropriado de embalagem, e não simplesmente menos embalagem.

A secretária geral da FEFCO Angelika Christ, disse: "o downsizing da embalagem não faz sentido se em consequência disso ocorrem perdas. A embalagem deve ser optimizada de acordo com os requisitos de cada produto. Por vezes, o aumento da embalagem reduz consideravelmente o impacte ambiental".

A Vitacress (Portugal), um dos maiores produtores de saladas, procurou uma solução de embalagem em cartão canelado capaz de prolongar o tempo de vida útil e de reduzir as perdas de produto na distribuição. O resultado foi um tabuleiro de drenagem com gelo, colocado no topo da embalagem, deixando que a água, ao cair sobre as verduras, as mantenha frescas durante 48 horas.

A embalagem de cartão canelado também pode ser projectada especificamente para cada produto e mantê-lo seguro durante o transporte. Pode ser desenhada para ser fácil de abrir e movimentar sem danificar o produto. Existe flexibilidade para introduzir soluções por medida, rápidas e custo-eficientes.

A embalagem de cartão canelado desempenha um papel vital na cadeia de fornecimento: protege 75% dos produtos europeus durante o transporte e assegura a chegada dos alimentos aos consumidores de forma segura e da forma mais eficiente possível.

Na Alemanha, foi desenvolvido um cartão com propriedades de absorção do etileno, para retardar o amadurecimento (o etileno é um agente do processo de amadurecimento de vários frutos e vegetais).

A embalagem alimentar assegura a segurança alimentar (no duplo sentido da garantia de abastecimento e da segurança do consumidor), ao mesmo tempo que facilita a logística e a identificação dos produtos. A versatilidade do cartão canelado, a sua reciclabilidade a 100% e as qualidades protectoras fazem com que seja uma parte das medidas necessárias para resolver o problema das perdas de alimentos.

Gráfica Ideal com certificação ISO 22000

imageA Gráfica Ideal (Águeda), especializada na produção e impressão offset de embalagens em cartolina, papel e microcanelado,  obteve a certificação do seu Sistema de Gestão da Qualidade Alimentar em conformidade com as normas ISO 22000:2005 e PAS 223. É a primeira e (até agora) única empresa nacional do sector a obter esta certificação.
A norma ISO 22000:2005 aplica-se a toda e qualquer organização que actue na cadeia alimentar. A certificação significa que a organização dispõe de um sistema de segurança alimentar e inspira confiança acrescida no produto. A norma combina a base de critérios dos Sistemas de Gestão da Qualidade e integra os princípios HACCP e GMP como pré-requesitos.
A norma PAS 223 foi patrocinada pela “Safe Supply of Affordable Food Everywhere (SSAFE)”, em conjunto com representantes da The Coca-Cola Company, da Foundation for Food Safety Certification (FSSC), de grandes empresas internacionais fabricantes de alimentos e bebidas como Nestlé, Danone, Unilever e Kraft; de imagefornecedores de embalagens como Tetra Pak, Amcor, Alpla, Rexam e Owens-Illinois, e de representantes de associações comerciais de embalagem como o Institute for Packaging Professionals/Food Safety Alliance for Packaging (FSAP).
A aposta na certificação representa para a Gráfica Ideal de Águeda, S.A., um "compromisso para com a Segurança Alimentar e a total transparência de todo o processo produtivo ao longo da cadeia de produção".

Reciclagem de PET – avaliação positiva pela EFSA

image

A EFSA, Autoridade Europeia de Segurança Alimentar, avaliou dez processos de reciclagem de resíduos pós-consumo de embalagens de PET, utilizados por empresas recicladoras europeias, incluindo a Evertis, de Portugal. Todos os processos se baseiam na tecnologia "basic" da EREMA, construtor de equipamentos de reciclagem com sede na Áustria.

LEIA ESTA NOTÍCIA EM DETALHE, clicando aqui

Riscos de fenilbutazona na carne de cavalo

A Autoridade Europeia de Segurança Alimentar (EFSA) e a Agência Europeia dos Medicamentos (EMA) consideram que a presença ilegal de vestígios de finilbutazona (um medicamento anti-inflamatório) na carne de cavalo é uma preocupação menor do ponto de vista dos riscos para a saúde humana, devido à reduzida exposição e probabilidade de efeitos tóxicos. A opinião foi emitida no dia 15 de Abril, a solicitação da Comissão Europeia, na sequência da detecção de produtos de carne de vaca contaminados com carne de cavalo e da descoberta de fenilbutazona num pequeno número de carcaças de cavalo destinadas à uso alimentar. As duas agências recomendam, todavia, que sejam reforçadas a rastreabilidade da carne de cavalo e a monitorização dos resíduos de medicamente veterinários.

A fenilbutazona é usada esporadicamente como medicamento de uso humano para o tratamento de inflamações graves, quando nenhum outro tratamento é considerado adequado. Em vários países, é permitido o uso veterinário para reduzir a dor e inflamação em animais não abatidos para a cadeia alimentar (cães, cavalos de desporto). A fenilbutazona não é permitida para o tratamento de animais destinados à cadeia alimentar pelo que a presença dessa substância em alimentos de origem animal só pode resultar de uso ilegal.

Informação detalhada sobre poliolefinas para contacto alimentar

image_thumb[3]A SABIC, um dos maiores produtores de poliolefinas (polietileno e polipropilenos), colocou todas as suas declarações de segurança alimentar e conformidade disponíveis em linha, com três anos de antecipação em relação à data limite de 2016. As declarações estão disponíveis nas páginas europeias da empresa.

A nova regulamentação é mais exigente em matéria de ensaios de migração da embalagem para o produto. Como entra em vigor dentro de três anos, os transformadores de plásticos e os embaladores vão precisar de garantias de conformidade a prestar pelos seus fornecedores de materiais.

O Regulamento Europeu sobre Plásticos (EU) 10/2011 (PIM) entrou em vigor no dia 1 de Maio de 2011 e introduziu várias alterações à regulamentação enquadrada pela Directiva 82/711/CE, especialmente no que respeita às condições de ensaios de migração de químicos individuais e aos simulantes a utilizar. As alterações respeitam à duração de alguns ensaios, às temperaturas a que devem ser realizados e aos simulantes para produtos de base aquosa ou alcoólicos. No entanto, a nova regulamentação se tornará obrigatória a partir de 1 de Janeiro de 2016.

A SABIC analisou, para o PE (polietileno) e o PP (polipropileno), todas as substâncias regulamentadas com um Limite de Migração Especifica  (LME ou SML) sob as novas condições (10 dias a 10 ºC). Os ensaios realizados mostram que nenhum dos materiais de PE ou PP da SABIC está sujeito a restrições adicionais para utilizações com contacto alimentar.

A legislação europeia sobre contacto alimentar baseia-se no princípio de que todas as substâncias são proibidas a menos que tenham sido expressamente permitidas. No que respeita à migração da embalagem para o produto, existem limites estritos de migração (LME – limite de migração específica , para os químicos individuais) e limites globais (LMG – limite de migração global , para o conjunto de todas as substâncias e migrações específicas).

Enquanto não existir obrigação formal para realizar ensaios de migração, todos os produtores de matérias-primas plásticas estão obrigados a fornecer um Documento de Conformidade aos seus clientes, em que declaram que o material esta conforme as exigências legais. Adicionalmente, têm que revelar a identificação dos monómeros e aditivos regulados por restrições de LME e/ou LMG, bem como a identificação dos aditivos de “duplo uso”, e têm que fornecer informação sobre as restrições de uso que forem relevantes.

Para mais informação sobre a informação de segurança dos produtos da SABIC, clicar AQUI.

Em Janeiro de 2013, a SABIC realizou um seminário em linha sobre os novos requisitos dos ensaios de migração para materiais de embalagem abrangidos pela legislação europeia sobre contacto alimentar. Para obter uma cópia da apresentação, clicar AQUI.