Frutos frescos com nano-filmes de hexanal

O desenvolvimento e uso generalizado de nano-filmes pode ser uma solução praticável para prolongar o tempo de vida útil de frutos e vegetais e evitar as enormes perdas pós-colheita em várias regiões do mundo. O departamento de nano-ciência e tecnologia da Universidade de Agricultura Tamil Nadu (TNAU) iniciou um programa de desenvolvimento de um nano-filme capaz de prolongar o tempo de vida útil de frutos e vegetais até 21 dias, preservando a qualidade e valor nutritivo.

Leia mais

Anúncios

Segurança alimentar: melhor nunca é demais

Os produtos alimentares nunca foram tão seguros, variados ou com o nível de qualidade que têm hoje. Apesar disso, existe uma discrepância entre os factos e as percepções do público. À indústria alimentar resta comunicar abertamente, fornecer informação objectiva e apostar em tecnologias de segurança actuais e de alta qualidade.

O público é repetidamente alarmado por casos isolados de violação da segurança e higiene alimentar, e alguns desses incidentes são escandalosos. Em última análise, não é possível garantir a 100 % que as empresas não violam as suas obrigações para com os consumidores ou mesmo que não cometem deliberadamente actos criminosos. No entanto, as políticas são frequentemente definidas em função de casos individuais extremos, com o objectivo de mostrar o carácter determinado da actuação. É claro que isto não põe fim aos escândalos; simplesmente contribui para dar mais impacto mediático em vez de promover um fluxo de informação mais aberto e o desenvolvimento de soluções baseadas em conhecimento. A esmagadora maioria de produtores alimentares que são cumpridores e exemplares estão virtualmente indefesos contra essa tendência mediatizadora e alarmista. A única opção que lhes resta e passar à ofensiva com informação objectiva, sem deixar de ter em conta que os assuntos alimentares são percebidos de forma muito emocional pelo público e é também desse modo que são tratados pela comunicação social. LEIA MAIS

Multivac suporta HPP

MULTIVAC inaugurou na sua sede (Wolfertschwenden, Alemanha) uma unidade para testes do processo HPP (High Pressure Processing) destinado ao tratamento de alimentos embalados por alta pressão. A unidade também está equipada para realizar ensaios de tempo de vida útil e permite testar diferentes conceitos de embalagem em conjugação com o processo HPP.

Oimage processo HPP é utilizado para reduzir os micro-organismos em alimentos, contribuindo para melhorar a segurança e o tempo de vida útil, sem necessidade de utilizar processos térmicos ou conservantes. As principais áreas de aplicação incluem as refeições prontas, as carnes e enchidos, bem como frutos e vegetais. A tecnologia de hiper-pressão já é utilizada com peixe, sumos e outras bebidas.

Em colaboração com a Uhde High Pressure Technologies, a MULTIVAC alargou as aplicações do processo e detem várias patentes neste domínio. Pela primeira vez, é possível combinar os processos HPP e MAP (embalagem sob atmosfera modificada).

Detecção prematura de doenças de plantas

imageTodos os anos, os ataques de vírus e fungos representam perdas de cerca de 30% das colheitas. Por isso é essencial detectar as doenças das plantas o mais cedo possível. As análises laboratoriais implicam tempo e custos, mas os investigadores estão a desenvolver um ensaio rápido e de baixo custo para ser ser usado no próprio local. LEIA MAIS

Leilão de ideias durante a INTERPACK

A HighTech Europe realiza o seu primeiro leilão de ideias para embalagem alimentar no próximo dia 17 Maio, durante a INTERPACK. O objectivo é promover a conversão de conhecimentos científicos em produtos comercializáveis. As ideias oferecidas serão avaliadas por um painel de especialistas e os resumos dessas ideias estarão disponíveis no endereço do Knowledge Auction. Durante o leilão, os participantes poderão licitar com valores simbólicos para terem o direito à primeira negociação com o detentor da ideia, criando a oportunidade para uma possível cooperação. As normas de participação podem ser obtidas para download (clicar). As quatro ideias que irão ser leiloadas são as seguintes:

Leilão 1 – Nanotecnologia de metais para aplicações na embalagem alimentar,
Leilão 2 – Cabeça dispensadora,
Leilão 3 – Revestimento funcional simbiótico comestível,
Leilão 4 – Tratamento superficial de papel e cartão com soro de leite para obter efeito repelente da água.

image

A cabeça dispensadora a leiloar, fabricada em polipropileno, é uma nova ideia de marketing para dentífrico ou qualquer outro produto pastoso embalagem em tubos flexíveis. Ao apertar o tubo (ou ao pressionar as orelhas da cabeça dispensadora), o produto sai pelos orifícios do topo, criando a ilusão de cabelo a crescer.

A HighTech Europe Network of Excellence é formada por 21 instituições de investigação europeias (mais uma da Austrália).

Opinião científica suporta uso de rPP para contacto alimentar

A EFSA (Autoridade Europeia de Segurança Alimentar) diz que não existe perigo para a segurança dos consumidores se o processo de reciclagem “PP crates CHEP” ocorrer em circuito fechado e controlado, conforme descrito pela CHEP UK Ltd. A opinião científica da EFSA baseia-se na avaliação de risco requerida pelo Ministro da Saúde, do Bem-Estar e dos Desportos da Holanda e conduzida pelo Painel CEF (painel da EFSA para os materiais destinados a entrar em contacto com alimentos, enzimas, aromatizantes e auxiliares de processamento).
No processo de reciclagem “PP crates CHEP”, as grades de PP (polipropileno) danificadas são limpas e trituradas. Depois de lavado e seco, o triturado é combinado com PP virgem ou usadas a 100% para fabricar grades de rPP (polipropileno reciclado) destinadas a uso e re-uso de frutos, vegetais ou carnes pré-embaladas, à temperatura ambiente ou inferior. O processo de reciclagem deve ser verificado periodicamente, como parte das boas práticas de produção (GMP) e em conformidade com a regulamentação da UE sobre materiais destinados a entrar em contacto com alimentos. As especificações do material utilizado no processo (grades usadas na distribuição de produtos em circuito fechado e controlado), bem como da higienização das grades durante o o seu ciclo de utilização deverão ser mantidas sob controlo para assegurar que o processo se mantém dentro das condições avaliadas.

Boas práticas para contacto alimentar

image A Confederação da Indústria Europeia do Papel (CEPI) publicou um documento de 30 páginas sobre "Boas Práticas de Produção de Papel e Cartão para Contacto Alimentar". O documento contém vários conceitos novos e metodologias cuja utilização pode não  ser familiar a vários utilizadores. Apresentado como "1ª versão", o documento será revisto até ao final de 2011. A CEPI aceita contributos para a melhoria do documento. Está acessível uma cópia (em inglês), na página "DOCUMENTOS".