Logística e Intralogística em Destaque

imageA nova unidade de engarrafamento da UNICER e o novo armazém automático são tema da reportagem publicada na edição n.º 230 da revista REVIPACK. Neste grande investimento, destaca-se a estratégia da UNICER e fornecedores como a KHS (linhas de engarrafamento), a EFACEC (armazém automático) e a SEW-EURODRIVE (accionamentos).
Nesta edição, a logística e a intralogística são temas em destaque. Porque razão as paletes de madeira continuam a ser preferidas? Para Paulo Verdasca, administrador da Madeca, a resposta está na combinação de qualidade, preço e sustentabilidade. A CHEP destaca as vantagens económicas e ambientais do transporte colaborativo.
No entanto, também há mercado para as paletes de plástico, com soluções específicas como as desenvolvidas pela NORTPALET e a Cabka-IPS.
Paletizar não é apenas colocar sobre uma palete. Por isso, esta edição da REVIPACK destaca também sistemas de cintagem e o envolvimento estirável. A REMBALCOM desenvolveu um novo filme estirável com capacidade de estiragem de 400%.
Na área da intralogística, esta edição destaca várias soluções de transportadores. A ANTÍPODA, por exemplo, está a somar êxitos no mercado europeu com soluções modulares projectadas à medida dos clientes.
Nesta edição, a REVIPACK apresenta ainda várias novidades e tendências em matéria de embalagem alimentar, máquinas de embalagem e sistemas de etiquetagem e codificação.
A edição REVIPACK digital (em ficheiro pdf) já foi enviada para os Assinantes. Também pode ser lida on line, clicando na imagem da capa.

A embalagem que assobia

Micvac: pré-cozinhados na embalagem e no micro-ondas

imageSem aditivos, sem conservantes, mas tão frescos como as refeições feitas em casa – é o que os consumidores querem. De preferência a preço acessível, o que exige uma embalagem acessível e um processo económico de preparação e embalagem.
A Micvac (Mölndal, Suécia) tem uma solução: cozinhar as refeições em embalagem fechada num túnel de micro-ondas! A embalagem é o mais simples e funcional que se pode imaginar – um tabuleiro termoformado, fechado com um filme termoselável – mas tem um "pormenor" que faz toda a diferença: uma válvula unidireccional com uma dupla função: criar o vácuo (para prolongar o tempo de vida útil da refeição) e facilitar a vida ao consumidor (para saber quando a refeição está quente). Sim a embalagem assobia quando a refeição está à temperatura indicada!

Na primeira etapa, os ingredientes alimentares são doseados nos tabuleiros individuais.Terminado o enchimento, os tabuleiros seguem para a estação de fecho por termoselagem de filme. Nesta estação, existe um equipamento dispensador e aplicador da válvula unidireccional, que fica posicionada ao centro do filme de fecho.
Na etapa seguinte, os tabuleiros atravessam um túnel de micro-ondas. Aqui se aplica o "segredo" da cozinha micro-ondas: elevada temperatura durante um curto período, pasteurizando e preservando os nutrientes. Durante este processo, o filme incha (o que pressupõe uma termoselagem robusta) e a válvula abre para deixar sair o vapor de água.
Na etapa seguinte, com o arrefecimento, o vapor condensa e é criado um vácuo natural. A válvula fecha, mantendo o produto seguro contra contaminações. O processo pode ser visto “ao vivo” neste filme.

Já nas mãos do consumidor, a refeição volta ao micro-ondas, para ser aquecida na própria embalagem, ainda fechada. Aqui, a válvula volta a abrir e quando o consumidor ouvir um silvo agudo, é sinal de que a refeição está pronta. Este efeito pode ser visto no pequeno filme seguinte.

Só então é que o filme de fecho é retirado. Depois da termoselagem robusta, o filme tem que ser facilmente pelável, para que a embalagem seja fácil de abrir. O design simpático do tabuleiro permite usá-lo como prato em refeições "utilitárias".

Congresso ECMA PRO CARTON

A ECMA (European Carton Manufacturers Association) e a Pro Carton (European Association of Carton and Cartonboard manufacturers) organizam o seu primeiro congresso conjunto nos dias 17 a 20 de Setembro, em Sorrento, Itália. O congresso é uma oportunidade para o encontro dos profissionais desta indústria e da respectiva cadeia de fornecimento.
A indústria das caixas de cartão enfrenta desafios múltiplos, tais como a tecnologia, as modificações nos canais de retalho, o aumento do comércio electrónico. A tecnologia móvel implica mudanças: qualquer local é um ponto de venda, a informação e as opções de compra estão omnipresentes, na internet, nas lojas, em casa ou a caminho. Esta revolução multi-canal também oferece oportunidades às empresas de marca, aos rertalhistas e aos produtores de embalagens de cartão. Durante o congresso, será apresentado um estudo sobre este tema. Par mais informação sobre este evento, clicar AQUI.

SIMEI de novo

O SIMEI, salão bienal para os sectores da enologia e equipamentos de engarrafamento de vinhos, azeites e bebidas, está de volta este ano, com datas marcadas para os dias 12 a 16 de Novembro, no parque de feiras de Rho, arredores de Milão.
O SIMEI proporciona uma panorâmica sobre o alto nível tecnológico a que chegaram as indústrias dos vinhos e das bebidas, apresentando um leque muito alargado de soluções técnicas compatíveis com necessidades específicas, desde a produção até às linhas de engarrafamento. No SIMEI, pode encontra-se todo o tipo de equipamento, material ou acessórios relacionados com a produção e engarrafamento de vinhos, cerveja, sumos e refrigerantes. Também é possível encontrar soluções para as etapas subsequentes, tais como máquinas de embalagem e paletização.

No que toca a embalagens propriamente ditas, e muito mais do que os fabricantes de garrafas de vidro, os fabricantes de rolhas de cortiça (com destaque para as empresas portuguesas) voltarão a exibir no SIMEI. Ao fim e ao cabo, a troika vinho-cortiça-vidro ainda reina este mercado.

Máquinasimage

O sector italiano das máquinas de processamento vinícola recuperou da crise de 2009. Em 2012, as vendas subiram 9% e chegaram aos 1,956 milhões de euros. Nas exportações, a liderança pertence às máquinas de encher, fechar, capsular, rotular e carbonatar. Em conjunto, este grupo exportou mais de mil milhões de euros.
As importações de máquinas mantiveram-se estáveis nos dois últimos anos, favorecendo o superavit do sector, que ascende a 1,5 mil milhões de euros.
Em 2012, outros segmentos do sector das máquinas registaram também resultados muito positivos. O segmento das máquinas para preparação de bebidas aumentou 235%, o segmento das prensas para vinho e azeite aumentou 17%, cifrando-se em 67 milhões de euros. O segmento das máquinas de lavar e secar garrafas aumentou 30%.

LEIA MAIS

Smart Bottle um bag-in-box…sem box!

image Uma embalagem flexível para líquidos ou granulados, com todas (ou quase todas) as características de uma embalagem rígida e com algumas funcionalidades e vantagens adicionais – é o que prometem as "Smart Bottles", inventadas pela  Smart Bottle inc. (Asheville, Carolina do Norte, EUA), que já atribuiu as primeiras licenças. A Dow assumiu o lançamento do conceito na América Latina e apresentou-o na feira Feiplastic 2013 com o nome PacXpert™.

Comecemos pelo princípio. Na origem desta embalagem estão apenas dois componentes: filme de polietileno em bobina e bocais com tampa de atarraxar (em polietileno também, mas neste caso em peças injectadas).
A Smart Bottle vazia é uma embalagem espalmada, o que representa uma tremenda vantagem na logística que antecede o enchimento. Menos volume, menos custos de transporte, menos espaço em armazém, etc. Com o enchimento, a embalagem ganha forma e replica o formato de secção quadrada ou rectangular de uma embalagem rígida. É estável, empilhável, e mantém-se em pé. Como é flexível, pode ser apertada depois de cada uso, para retirar o máximo do ar interior (prolongando o tempo de vida útil do produto).
A "Smart Bottle" pode ter a capacidade que se quiser, desde 1 litro até aos 20 litros, e o formato também pode variar. Para além do bocal, pode ter uma ou duas asas, para tornar mais fácil o transporte, a utilização e também para ser mais fácil esvaziar até ao fim. mais do que palavras, estas funcionalidades podem ser observadas do filme promocional criado pela Dow (licenciada pela Smart Bottle para comercializar o conceito na América Latina.
A nova embalagem é um dos temas abordados na REVIPACK Nº 66, com informação sobre máquinas para formar, encher e fechar as Smart Bottles.

Inovações e ideias para as indústrias de bebidas e líquidos alimentares

A "Feira Líder Mundial para as Indústrias de Bebidas e Líquidos Alimentares"  – drinktec 2013 – terá lugar em Munique nos dias 16 a 20 de Setembro. Cerca de 1500 expositores, de cerca de 70 países vão apresentar produtos e soluções para todo o leque de bebidas e líquidos alimentares – incluindo as tecnologias de processamento, embalagem e marketing. Cerca de 60% dos expositores são de forma da Alemanha e a organização espera atrair 60 000 visitantes profissionais de todo o mundo.

image_thumb[3]

"Processamento + Enchimento + Embalagem + Marketing" – o novo subtítulo da feira diz tudo. Mais do que uma exposição de tecnologia, este evento abrange todos os ângulos de interesse para as indústrias mundiais de bebidas e líquidos alimentares. Para além da sua função como palco de tecnologias e inovações, a drinktec é também um forum gigantesco de ideias e informação, um ponto de encontro para troca de visões e para a comunicação. É esta combinação que atrai os visitantes profissionais de todas as áreas das empresas. As marcas e grupos globais do sector das bebidas, dos alimentos e do retalho estarão entre os visitantes, assim como empresas mais pequenas como é o caso das cervejeiras regionais.

LEIA MAIS

Indústria italiana de máquinas com indicadores de crescimento

De acordo com o apuramento realizado pela Ucima (associação do sector), a indústria italiana de máquinas de embalagem deverá ter fechado o ano de 2012 com uma facturação recorde de cerca de 4,4 mil milhões de euros, 1,6% acima de 2011, um ano que também registou excelentes resultados.
O sector confirma a sua posição como um dos mais dinâmicos da indústria italiana e um dos poucos que conserguiram melhorar o seu desempenho nos últimos doze meses. A principal contribuição vem das exportações, que representam agora 90% da facturação global. O valor estimado para as exportações de máquinas de embalagem italianas ronda os 4 mil milhões de euros, mais 2,7% que em 2011. As vendas internas totalizaram 415 milhões de euros, ,menos 7,8% que em 2011.
As previsões para 2013 são bem menos optimistas. Os dados preliminares apontam para uma redução de 13% das exportações para a Ásia, compensada com aumentos de 21,3% nas exportações para a América do Norte e 17,6% para a América do Sul. A Europa continua a ser o principal mercado, contribuindo com 35,4% do total (mais 9,6%).