Frutos frescos com nano-filmes de hexanal

O desenvolvimento e uso generalizado de nano-filmes pode ser uma solução praticável para prolongar o tempo de vida útil de frutos e vegetais e evitar as enormes perdas pós-colheita em várias regiões do mundo. O departamento de nano-ciência e tecnologia da Universidade de Agricultura Tamil Nadu (TNAU) iniciou um programa de desenvolvimento de um nano-filme capaz de prolongar o tempo de vida útil de frutos e vegetais até 21 dias, preservando a qualidade e valor nutritivo.

O nano-filme é revestido com hexanal, o mesmo agente utilizado em sprays químicos que atacam a enzima fosfolipase-D, responsável pela deterioração de frutos e vegetais. Os sprays de hexanal são caros e a maior parte do agente perde-se no processo. A impregnação de nano-filmes com hexanal sintético pode ser a solução. A Universidade de Guelph (Canadá) desenvolveu um processo para sintetizar hexanal e este agente sintético é combinado com uma cera natural por um processo desenvolvido no Instituto de Tecnologia Industrial (ITI) do Sri Lanka. A TNAU vai usar essa cera de hexanal para revestir um nano-filme de fibra vegetal. As experiências de pesquisa vão seguir-se e espera-se que os primeiros filmes prontos para testes de terreno surjam em 2014.

Sem uma adequada rede de frio e sem práticas e materiais de embalagem adequados, a Índia perde mais de 40% dos frutos e vegetais. É um dos maiores produtores de frutos, mas, em média, o consumo ronda actualmente as 80 g por pessoa e por dia, metade da dose diária recomendada.

Para além da nanotecnologia, as implicações do hexanal ainda carecem de avaliação. O efeito anti-microbiano também pode ser prejudicial às bactérias "amigas" necessárias para os processos de biodegradação.

Anúncios