Nanografia digital – êxito comercial imediato

image A estreia da nova tecnologia de impressão digital baseada nas nanotintas desenvolvidas pela Landa Corporation obteve um êxito imediato na feira DRUPA 2012. Ainda com a feira a decorrer, a Landa Corporation indicou ter recebido numerosas manifestações de interesse e encomendas (cartas de intenção com depósito) para a máquina Landa S10, a primeira impressora digital para o formato B1. A máquina assegura as velocidades normais do processo offset (13 mil folhas/hora) com papéis de 60 a 400 g/m2, sem perda de tempo em mudanças de chapa. A nova tecnologia é considerada uma revolução na área da "impressão comercial" (folhetos, catálogos, etc.), mas também existe uma versão para impressão de cartões de embalagem com espessura até 1 mm.
A par com a impressão digital (jacto de tinta directamente a partir de ficheiro, sem chapa de impressão), esta máquina utiliza as "nanotintas" de secagem rápida, que permitem altas definições com menor quantidade de tinta.

Ecrãs gigantes – menos operadores

Outra das surpresas que a Landa apresentou na DRUPA está nos ecrãs gigantes das máquinas de impressão digital. São ecrãs tácteis que facilitam a vida ao operador. Cada máquina tem dois ecrãs idênticos, um do lado da alimentação e outro do lado da saída, onde estão disponíveis todas as funções de controlo da máquina e também as funções de gestão de obra.

image

O elevado grau de automação permite que um só operador possa controlar duas ou mesmo três ou quatro máquinas a trabalhar em simultâneo. Quando o operador se afasta da máquina, o ecrã muda para o modo "Sinais Vitais", que fica visível a 50 metros e que também pode ficar disponível num PC tablet que permite ao operador a gestão remota!

A Landa Corportation foi fundada por Benny Landa, o empreendedor israelita que esteve na origem da Indigo e que progagonizou a primeira revolução digital na indústria da impressão. Leia a história completa na REVIPACK Nº 211.

Anúncios