Mercado global da embalagem deverá crescer 3% por ano

A indústria mundial da embalagem deverá atingir um valor de negócios global na ordem dos 820 mil milhões (mM) de USD até 2016, prevê a Smithers Pira (Reino Unido) num relatório lançado em Janeiro. Impulsionado sobretudo pelo aumento da procura de embalagens nas economias emergentes e em transição, o aumento médio anual de 3% verificar-se-á sobretudonos produtos de cartão (40 mM USD) e nos plásticos rígidos (30 mM USD).

O relatório Future of Global Packaging Market and Technology Forecasts to 2016 fornece informação sobre a dimensão dos mercados e previsões de crescimento por tipo de embalagem, tipo de produto e mercado geográfico, numa visão global da situação das indústrias de embalagem em 50 países.

Na origem do crescimento estão tendências gerais tais como a crescente urbanização, o investimento na construção e habitação, a expansão dos sistemas de saúde e o desenvolvimento rápido das economias emergentes, incluindo a China, a Índica, o Brasil e vários países da Europa leste. O aumento do rendimento individual disponível nos países em vias de desenvolvimento alimenta o aumento do consumo de um vasto leque de produtos, com o consequente efeito na procura de embalagens para esses produtos. A procura crescente de produtos de linha branca, tais como máquinas de lavar roupa e loiça, induzida pelos padrões de vida com menos tempo e mais rendimento disponível, induz também a procura de todos os produtos ligados a esses electrodomésticos, e com eles as respectivas embalagens.

Prevê-se um crescimento expressivo na procura de embalagens de plásticos rígidos, especialmente nos sectores de bebidas, cosmética, perfumaria, cuidado doméstico e pessoal. As embalagens flexíveis estão a crescer em sectores como os alimentos perecíveis, produtos de saúde, alimentos de conveniência e vários produtos industriais.

Segundo a Smithers Pira, os EUA são o maior mercado, com uma procura global de 137 mil milhões (mM) de USD em 2010, seguidos pela China com 80 mM USD. A China poderá ultrapassar os EUA em 2017 e a Índia vai entrar para o grupo dos 10 maiores consumidores de materiais de embalagem, com a procura a duplicar nos próximos cinco anos e a atingir os 24 mM USD.

Quanto a desenvolvimentos tecnológicos no sector da embalagem, a Pira destaca o aumento dos biopolímeros nas aplicações rígidas e flexíveis, o valor acrescentado em produtos com revestimentos funcionais e camadas bareira, bem como as melhorias gráficas e a redução de pesos e espessuras, entre outros aspectos.

O cartão continua a ser o maior sector do mercado da embalagem, totalizando cerca de 210 mM USD em 2010, e deverá manter a liderança até 2016, altura em que deverá chegar aos 250 mM USD.

O plástico rígido é o segundo sector, com uma quota acima dos 21 % avaliada em 144 mM USD em 2010, com previsão de subida para mais de 200 mM USD em 2016. As embalagens flexíveis deverão crescer dos 130 mM USD de 2010 para 163 mM USD.

Quando a usos finais, a pesquisa da Smithers Pira indica que os alimentos e bebidas continuarão a ser os mais importantes e crescer até atingir os 43 mM USD em 2016. As embalagens de produtos de saúde deverá crescer 4,5% ao ano e atingir um total de 34 mM USD. Os cosméticos deverão crescer 4,2 % ao ano e atingir 24 mM USD.

Anúncios