Reciclagem de vidro e recolha selectiva: vectores para uma economia circular

image Um relatório recentemente publicado pela Associação das Cidades e Regiões para a Reciclagem e Gestão Sustentável dos Recursos (ACR+) para a Federação Europeia da Embalagem de Vidro (FEVE) afirma que os esquemas de recolha selectiva deverão ser largamente apoiados para que seja possível construir uma economia circular para a embalagem de vidro. O relatório afirma que a Europa precisa de usar os seus recursos de forma muito mais criteriosa, reciclando mais, o que significa que necessitamos de taxas de recolha mais elevadas e de um nível de qualidade mais elevado para o vidro recolhido. O relatório conclui que só as garrafas e frascos de vidro recolhidos selectivamente podem resultar numa quantidade e qualidade superior de casco (vidro usado) disponível como recurso para produzir novas embalagens.

O vidro é um dos melhores exemplos do modelo de produção em circuito fechado porque é um dos materiais mais reciclados na Europa (67% em média). Isto deve-se não só às suas características – é 100 % e infinitamente reciclável – mas também devido aos circuitos de recolha selectiva bem estabelecidos. No entanto, mais pode ser feito e o estudo da ACR+ salienta algumas boas práticas. O aumento da reciclagem de vidro traz grandes benefícios para o ambiente porque quando se usa vidro reciclado, menores são a necessidade de extracção de matérias-primas, a quantidade de resíduos gerados, o consumo de energia e as emissões de CO2.
Com base numa análise alargada dos esquemas de recolha municipal na Europa, o estudo da ACR+ identifica oito tipos de esquemas, incluindo vidrões com separação de cores, como vectores para o aumento da reciclagem do vidro. Nos esquemas de recolha selectiva, o material processado tem qualidade mais elevada e conforme com as especificações necessárias para a produção garrafa-a-garrafa e o custo é competitivo em comparação com o uso de matérias-primas virgens. Outros sistemas, como as recolhas conjuntas, não só podem ser mais caras como apenas dão origem a casco adequado para aplicações de menor valor (exemplo: agregados). Estas aplicações são literalmente um desperdício porque o material acaba por se afastar para sempre da economia circular.
O estudo também recomenda mais e mais clara comunicação com os cidadãos sobre as vantagens da recolha do vidro e da reciclagem num sistema garrafa-a-garrafa, e sobre o papel que eles podem desempenhar. As municipalidades e a indústria também podem trabalhar neste domínio.
O estudo “Good practices in collection and closed-loop glass recycling in Europe’’ pode ser obtido AQUI.

Anúncios