Medicamentos contrafeitos

Em cinco dias, as autoridades policiais de 26 países lançaram a operação Pangea II para detectar medicamentos contrafeitos. Foram identificados 751 sites ilegais de venda de medicamentos, dos quais 72 foram encerrados e 11 foram notificados. As autoridades inspeccionaram 34 centros de distribuição postal, 9 centros alfandegários. No total, foram analisadas mais de 16 mil encomendas postais, das quais 995 foram apreendidas por conter 166 540 unidades de medicamentos ilegais e/ou contrafeitos.

A operação contou com a participação portuguesa, conduzida pelo Infarmed, que notificou 4 websites com conteúdos ilegais e identificou um caso para investigação posterior com a Interpol. O Infarmed lançou também um website de informação do público.

No âmbito desta operação internacional, o Infarmed e a DGAEIC (Direcção Geral das Alfândegas e Impostos Especiais sobre o Consumo), estiveram nas centrais de encomendas dos aeroportos de Lisboa e Porto. Inspeccionaram 239 encomendas, das quais apreenderam 48, contendo 1075 produtos ilegais e/ou contrafeitos.

Nos E.U.A., a FDA tem estado a notificar websites de de venda de medicamentos e a analisar diversos produtos vendidos através da internet. Segundo um comunicado da FDA, que fez várias encomendas para analisar os produtos, estão a ser vendidas tabletes apresentadas como Tamiflu (oseltamivir) provenientes da Índia mas sem qualquer vestígio da substância activa.

A contrafacção e comércio ilegal de medicamentos constitui um risco gravíssimo para a saúde pública e um prejuízo significativo para o sector farmacêutico. Os números preocupantes da contrafacção mostram a importância não só das acções policiais, mas também da informação do público e da adopção de embalagens com dispositivos de segurança.

Gráficas  de embalagem têm soluções

<a href= Os principais fabricantes portugueses de embalagens de cartolina para medicamentos já anunciaram a possibilidade de integrar soluções de segurança nas embalagens de medicamentos. A Novotipo, por exemplo, disponibiliza, desde 2006, a chamada “Caixa GEO 2S”, com dois dispositivos de segurança. Desde 2008, que esta empresa disponibiliza caixas de cartolina com segurança integrada, e sem custo adicional.
Recentemente, também a gráfica Olegário Fernandes anunciou a possibilidade de fornecer embalagens com dispositivos de segurança desenvolvidos pela Sun Chemical.

Anúncios